Publicações

  • Long-Term Finance and Risk Allocation
    Edson Gonçalves (FGV/CERI), Fernanda Jardim (FGV/CERI), Joisa Dutra (FGV/CERI), Mariana Reis e Raquel Soares (FGV/CERI)
    Expandir Ocultar

    This position paper reflects the perspective presented at the Workshop "Pensando o Futuro do Setor Energético Brasileiro" and focuses on issues related to creating conditions for long-term financing and its risks, including:

    - Discussion of the prerequisites to develop a robust financial market to support the long-term development of the infrastructure sector in Brazil in a post-BNDES era, using the power and gas sectors as pilot cases;

    - Analysis of additional financial products and facilities to support long-term financing in the power and gas sectors, such as guarantees and insurance products, provided by BNDES, insurance companies, and multilateral institutions; and

    - (Re)assessment of the risk management attitude and mindset in existing project finance practices, identifying current allocation patterns and future trends to attract new capital.

    Download do arquivo.

  • Privatização de Companhia Estadual de Saneamento: a experiência única do Tocantins - lições para novos arranjos com a iniciativa privada
    Raquel Soares (FGV/CERI), Irene Altafin (FGV/CERI), Maria Teresa Duclos (FGV/CERI) e Samuel Arthur Dias (FGV/CERI)
    Expandir Ocultar

    O presente estudo discorre brevemente sobre as possibilidades de arranjos público-privados no setor de saneamento no Brasil. Em seguida, são relatados os aspectos principais do setor de saneamento no estado do Tocantins e do processo de privatização da Companhia Estadual de Saneamento Básico. Na terceira seção, é destacado o papel da regulação dos serviços de saneamento no caso. Na quarta seção, são apresentadas as lições extraídas dessa experiência, e na quinta, os desdobramentos dessas lições na conjuntura atual do setor de saneamento básico no Brasil.

    Download do arquivo.

  • Development of a competitive natural gas market
    Miguel Vazquez, Lívia Amorim e Joisa Dutra
    Expandir Ocultar

    O documento traz uma visão geral sobre as principais características da atual estrutura de gás natural, bem como os elementos necessários para promover um mercado sólido, que seja capaz de gerar ganhos de eficiência e competitividade não só para o setor de energia, mas para o país como um todo.

    Para visualizar o relatório completo, clique aqui.

  • Contribuições à audiência pública acerca da regulamentação da avaliação da qualidade dos sistemas de governança corporativa dos agentes de distribuição de energia elétrica
    FGV/CERI
    Expandir Ocultar

    O documento apresenta as contribuições do CERI para a Audiência Pública nº 078/20136 da Agência Nacional de Energia Elétrica, que versa sobre a regulamentação de uma avaliação da qualidade dos sistemas de governança corporativa dos agentes do setor de distribuição de energia elétrica.

    Para visualizar o relatório completo, clique aqui.

  • Regulação Adaptativa em Telecomunicações
    FGV/CERI
    Expandir Ocultar

    Congresso aprova a possibilidade da conversão de concessões de telefonia fixa em autorizações.

    Foi aprovado ontem pela Câmara dos Deputados o Projeto de Lei número 3.453/2015, que trata da possibilidade das concessionárias do serviço de telefonia fixa (STFC) converterem a concessão em uma autorização. O FGV/CERI fez um conjunto de contribuições durante Consulta Pública realizada pelo Ministério das Comunicações. Os principais pontos desta contribuição são apresentados neste infográfico.

    Entenda o assunto

    O Projeto de Lei número 3.453/2015 trata da possibilidade de as concessionárias de STFC converterem suas concessões em uma autorizações. Para isso, a concessionária deverá assumir compromissos de investimento prioritariamente para implantação de infraestrutura de dados em áreas que não tem uma oferta adequada destes serviços. Na redação aprovada, tanto a conversão da concessão quanto o valor a ser investido devem ser submetidos previamente à anuência da Agência Naciona de Telecomunicações (ANATEL). O Projeto seguirá para tramitação no Senado.

    O debate é importante e traz para a pauta uma questão que desafia a regulação dos setores de infraestrutura uma forma geral: para ativos tão específicos e que demandam investimentos de longo prazo, como a regulação consegue ser adaptativa para acomodar mudanças tecnológicas desejáveis?  O FGV/CERI promoveu uma discussão pública sobre o assunto, envolvendo os setores de energia e transportes (aqui).

    Em janeiro deste ano, na Consulta Pública feita pelo Ministério das Comunicações para reforma do modelo regulatório do setor de telecomunicações, o FGV/CERI apresentou suas contribuições. Dentre outras questões, o FGV/CERI teve a oportunidade de discutir o uso das autorizações nos setores regulados de infraestrutura como um instrumento para proporcionar mais flexibilidade aos agentes sem afastar a necessidade de observar a regulação setorial, inclusive quanto a possíveis metas e compromissos de investimento.

    Veja aqui a tramitação do Projeto de Lei nº 3453/2015 na Câmara dos Deputados.

    O relatório completo das contribuições do FGV/CERI pode ser encontrado aqui.

  • Efetividade dos investimentos em saneamento no Brasil: da disponibilidade dos recursos financeiros à implantação dos sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário
    Irene Altafin (FGV/CERI), Raquel Freitas (FGV/CERI), Fernanda Oliveira (FGV/CERI) e Rafael Martins de Souza (FGV/CERI)
    Expandir Ocultar

    Convivendo por anos com um vazio institucional e legal no setor de saneamento, a sociedade brasileira recebeu com otimismo a aprovação da Lei do Saneamento em 2007 e a concomitante retomada dos investimentos por meio do PAC. No entanto, decorridos nove anos, é incompreensível que o Brasil ainda conviva com as enormes carências nos serviços de saneamento (36 milhões de pessoas sem acesso ao abastecimento de água, 105 milhões sem coleta de esgotos e cerca de 6 bilhões de m3/ano de esgotos sendo lançados in natura nos cursos de água), incompatíveis com o seu nível de desenvolvimento econômico

    Download do arquivo.

  • Governança das agências reguladoras federais do Brasil: análise das tendências de configuração das diretorias durante os últimos vinte anos de reformas
    Sebastian Lopez Azumendi (FGV/CERI)
    Expandir Ocultar

    Usando dados únicos, a pesquisa analisa a composição das Diretorias das agências federais de regulação do Brasil. Através da análise de duzentos e vinte e um (221) perfis de Diretores de nove (9) agências de regulação, a pesquisa identifica tendências na configuração das Diretorias desde a criação de cada uma delas até dezembro de 2015 e recomendações de melhoria. Os Diretores das agências são na sua maioria funcionários públicos provenientes da alta gerência pública das próprias agências ou da administração centralizada do nível federal, mostrando níveis razoáveis de formação acadêmica. Contudo, as Diretorias das agências têm sido afetadas consideravelmente com o comportamento oportunista do Poder Executivo. A análise de dados permitiu identificar a estratégia de deixar as Diretorias vacantes, paralisando seu funcionamento ou, nos casos onde é permitido indicar Diretores interinos, abusar dessa faculdade eternizando-os em posições que deveriam ser ocupadas através de sabatinas pelo Senado. A pesquisa conclui recomendando a redução dos critérios subjetivos para a indicação dos Diretores e a profissionalização do processo de sabatina pelo Senado Federal. Adicionalmente, sugere o estabelecimento de prazos peremptórios tanto para indicação de Diretores quanto para a sabatina pelo Senado.

    Download do arquivo.

  • Autonomia financeira das agências reguladoras dos setores de infraestrutura no Brasil
    FGV/CERI
    Expandir Ocultar

    A autonomia financeira das agências reguladoras é objeto de debate desde a criação das mesmas até os dias de hoje. Apesar da previsão legal e da racionalidade que orienta a criação das agências, o exercício dessa autonomia, em suas diversas dimensões, é objeto de tensões recorrentes, ameaçando a continuidade e a qualidade da regulação..

    Cientes dos desafios enfrentados pelas agências, em especial no tocante à autonomia financeira, o CERI/FGV apresenta o documento "Autonomia Financeira das Agências Reguladoras dos Setores de Infraestrutura no Brasil", no qual discute o fenômeno do contingenciamento de verbas nas agências reguladoras de infraestrutura e propõe soluções para superar o problema, munindo as agências de autonomia real e efetiva sobre seus recursos financeiros.

    Como este documento, espera-se trazer ao debate o tema da autonomia financeira das agências reguladoras de infraestrutura e, desta forma, contribuir para a melhoria da regulação no Brasil.

    Download do arquivo.

  • Impactos de programas de uso racional de energia: um estudo de caso para o Brasil
    Joisa Dutra (FGV/CERI) e Edson Gonçalves (FGV/CERI)
    Expandir Ocultar

    Resumo: 

    O marco regulatório do setor elétrico no Brasil tem experimentado mudanças desde 2004, com a introdução de um novo modelo de comercialização de energia. Mais recentemente, outros ajustes foram implantados, motivados pela busca de ganhos de competitividade para a indústria, conforme exposição de motivos da Medida Provisória nº 579 - MP 579/12, posteriormente convertida na Lei nº  12.783/13. Adicionalmente, no âmbito da regulação, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) promoveu mudanças significativas na estrutura tarifária, que começaram a surtir efeitos a partir de 2012, simultaneamente ao 3º Ciclo de Revisões Tarifárias, quando se verificou redução dos níveis de remuneração para os ativos imobilizados no serviço de distribuição de energia.

    Download do arquivo

  • Resposta dos consumidores para o setor elétrico
    Joisa Dutra (FGV/CERI) e Denise Teixeira
    Expandir Ocultar

    Em 2004 foi apresentada uma reforma das regras do Setor Elétrico Brasileiro (PEB), cuja essência pôde ser conferida no texto da Lei nº 10.848 de 15 de março de 2004. Um dos aspectos destacados naquela oportunidade foi a introdução de mecanismos para inceitivar a expansão do parque gerador.

    Por meio do referido modelo estabeleceu-se, por exemplo, que as distrituidoras deveriam contratar com antecedência a totalidade da energia que previam vender para os consumidores em contratos de longo prazo (15 a 30 anos) e que poderiam repassar, por meio das tarifas cobradas, o equivalente da compra de até 103% do mercado a ser atendido. Tratava-se, portanto, de um mecanismo voltado para favorecer investimentos em geração de energia elétrica.

    Download do arquivo

  • Design of Fiscal System for Exploration of Shale Gas: How is it Different From Conventional Oil and Gas?
    Livia Amorim (FGV/CERI)
    Expandir Ocultar

    Abstract

    Due to the success of shale gas developments observed in the US and lack of domestic legislation specifically for unconventional gas projects in the countries, an arising question is whether replicating the fiscal terms conceptually designed for conventional oil and gas exploration would be appropriate for the exploitation of unconventional gas deposits. To address this question this article compares shale gas projects with conventional gas projects, aiming to assess if they have similar enough structures to be suitably covered by the same fiscal regime or if the legislation needs to address issues that are either different or behave in a particular way in unconventional gas projects. The analysis indicated that gas projects – both from conventional or unconventional sources – have a set of singularities that make their economic appraisal remarkably different from oil projects. Put simply, gas projects have different business structures that leads to less margin of rent to be captured and a particular flow of revenues that should be taken into consideration when designing a fiscal system oriented to promote investments. It showed that investments in unconventional gas projects, besides having the particularities shared with conventional gas ventures, has its own singularities that are relevant enough to demand different kind of incentives and as a consequence a different treatment from fiscal policy makers.

    Download do arquivo. 

  • Contribuições à Consulta Pública para Revisão do Modelo de Telecomunicações
    FGV/CERI
    Expandir Ocultar

    O documento apresenta as contribuições do CERI para a Consulta Pública n.º 23/2015 do Ministério das Comunicações, que versa sobre a revisão do modelo de telecomunicações. O objetivo consiste em aportar reflexões sobre a regulação setorial em uma perspectiva mais abrangente (high level). Para tanto, recorre-se à experiência interdisciplinar do Centro de Regulação, bem como a conjunto de conhecimento relativo a outros setores regulados de infraestrutura no Brasil.

    Download do arquivo.